#ConversasIDD: Violência Digital

Falamos sobre Violência Digital com Angie Contreras da Associação Civil Cultivando Género, em um novo capítulo das #ConversasIDD, espaço criado pelo IDDLAC para falar sobre questões que ajudam a entender e melhorar o Ecossistema Digital.

Quarta-Feira 19 de abril de 2022. Já está disponível um novo episódio das #ConversasIDD, o espaço do Instituto de Desenvolvimento Digital para América Latina e Caribe.

 

Nesta ocasião, a equipe IDD LAC, liderada por Andrés Piazza e Andrés Sastre, recebeu Angie Contreras, membro do Conselho Consultivo de Segurança de TikTok LATAM; É diretora da revista digital Feminista Quintessence; escrever para diferentes publicações; Coordenador de comunicação para diversos atores políticos e organizações da sociedade civil, como Cultivando Génro

 

A Violência Digital é um tipo de violência perpetrada por meio de mídias digitais, como redes sociais, e-mail ou aplicativos de mensagens móveis. Embora sejam realizadas online, não devemos entender que essas formas de violência estão desconectadas do resto da violência que vivenciamos fora do mundo online, como violência de gênero ou violência contra menores. A violência digital causa danos à dignidade, integridade, segurança. São formas de violência que repercutem no corpo e na vida das pessoas, na autoestima e na forma de se relacionar com a sociedade.

 

Esta conversa foi ministrada com base no trabalho que a Associação Civil Cultivando Gênero vem realizando nesta matéria, que resultou na criação pela Associação Civil de alguns guias para prevenção e monitoramento de casos de violência digital.

 

Conversamos sobre o impacto que a violência digital tem sobre os usuários da Internet na América Latina, quais são as principais implicações e quais recomendações essenciais de ação devemos seguir, tanto como cidadãos quanto como governos e empresas.

 

O vídeo da conversa está disponível aqui:

 

AAcesse aqui os 3 guias para prevenir e acompanhar casos de Violência Digital, criados por Cultivando Gênero, com o apoio da Indela:

1- Para adolescentes, aquí 
2- Para instituições, aquí
3- Para mães, pais e professores, aquí